quarta-feira, 14 de setembro de 2011

"O que significa Kipupa Malunguinho?" - Resposta.

Dois Malunguinhos incorporados se confraternizando. Esse é o espírito do Kipupa. V Kipupa Malunguinho 2010. Foto de Laila Santana.

"O que significa Kipupa Malunguinho?"

 "O que significa Kipupa Malunguinho?". Por essa pergunta ser muito frequente, decidi postar esse texto para sanar todas as dúvidas sobre os termos em línguas africanas e sobre esse evento religioso e cultural que acontece em matas fechadas ao som da percussão da Jurema Sagrada. Boa leitura.

Para ser logo direto, Kipupa significa união, agregação de pessoas, associação de indivíduos em prol de algum objetivo. Este termo também dá nome a uma localidade no Parque Nacional De l'Upemba (reserva de floresta tropical), próxima a cidade de Bukama, na antiga província de Katanga ao sul da República Democrática do Congo, no centro-oeste da África, que se formou pela agregação de refugiados da guerra civil para formarem um gigante quilombo de esperança e reconstrução de sua liberdade e identidade.

Observar no mapa, logo abaixo de Katanga o Lac Upemba, ao sul do país, proximidades do Parque Nacional De l'Upemba.


Em vermelho a indicação do Google Maps na cidade Kipupa, na extensa área de preservação do Parque Nacional De l'Upemba.


Malunguinho, vem do vocábulo Malungo que significa camarada, amigo, companheiro de bordo e de lutas. Estas duas palavras são pertencentes ao tronco lingüístico Kimbundo, língua falada em Angola, país de que vieram estes negros guerreiros. Malunguinho é o título dado aos líderes quilombolas pernambucanos que no século XIX fizeram ferver o Estado, em especial em toda Mata Norte, na luta por liberdade, reforma agrária e seus direitos. Este nome também é dado à Divindade patrona do culto da Jurema Sagrada, o Rei Malunguinho, que é caboclo, mestre e trunqueiro (Exú de jurema), tendo função essencial nessa religião de matriz indígena, praticada em especial no nordeste do Brasil.

Kipupa Malunguinho, portanto, significa a agregação de pessoas em torno dessa divindade e personágem da história negra e indígena de Pernambuco. Uma reunião de pensamentos em prol do fortalecimento e reconhecimento para a memória de nossos ancestrais que lutaram por nossa liberdade e pela perpetuação das tradições religiosas que herdamos.


Essa festa nasceu em 2006 do anseio do Quilombo Cultural Malunguinho, e da idéia de Alexandre L'Omi L'Odò (Eu. E quem pesquisou, pensou e deu o nome) e João Monteiro, em "resgatar" e dar visibilidade a nossas lideranças históricas negras/indígenas negadas pela historiografia oficial, a exemplo do líder negro Malunguinho e tantos outros, destacando o papel de Pernambuco nas lutas e resistência negra no Brasil. Determinamos o mês de Setembro para realização anual do evento em homenagem ao último líder do Quilombo do Catucá, o João Batista que teve sua data de morte comprovada a partir de documentos existentes no Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano. Foi em 18 de setembro de 1835, oficialmente informada sua morte.

Também, graças as pesquisas do PhD. historiador Marcus J. M. de Carvalho, em especial ao seu importantíssimo livro e tese "Liberdade, rotinas e rupturas do escravismo - Recife, 1822-1850", publicado em 1998 pela Ed. Universitária da UFPE, que nos inspiramos para a escolha do local onde a festa deveria acontecer - nas matas do Engenho Pitanga II, atual Abreu e Lima, que no passado chamava-se Maricota em PE. Essa localidade foi um dos pontos mais importantes de resistência do Quilombo do Catucá, que se estendia por toda Mata Norte do Estado, chegando até a cidadezinha de Alhandra, hoje na Paraíba. Também, local do assassinato em emboscada cruel desse último líder quilombola. 

Em 2007, nossa articulação, conseguiu aprovar a lei 13.298/07, a Lei Estadual da Vivência e Prática da Cultura Afro Pernambucana, a Lei Malunguinho, idealizada pelo Quilombo Cultural Malunguinho com diversas outras entidades dos movimentos negros e culturais e, apresentada e aprovada pelo Deputado Isaltino Nascimento do PT, que institui no calendário oficial do Estado uma semana para atividades relacionadas à Maluguinho e a cultura que o cerca, em especial a Jurema.

A partir da realização do I° Kipupa Malunguinho, ocorrido em setembro de 2006, um calendário permanente para comemorações e homenagens às lideranças negras históricas, foi fundando. 


A tradição do coco do Catucá, com a integração de diversos sacerdotes e sacerdotisas da Jurema e do candomblé, artistas, pesquisadores, políticos e estudiosos da cultura e das ciências humanas, além da comunidade onde acontece o vento, deu um novo fôlego aos movimentos, articulando inúmeras pessoas para pensar e vivenciar a cultura afro indígena pernambucana, com enfoque na valorização histórica desses personágens e divindades.

Zé de Teté e Mestre Galo Preto, cantando juntos coco no V Kipupa Malunguinho, 2010. Foto de Laila Santana.

O coco, como rítmo, música e dança forte em todo o nordeste, e também referência como rítmo sagrado no culto da Jurema, tem papel fundamental em todo esse processo. É o coco que anima a festa, que faz todos celebrar, que ajuda a todas e todos a vivenciar essas memórias e ideologias.

Assim, o objetivo do evento é manter viva a memória e história, além do imaginário que cerca toda essa cultura, construindo o sentimento de pertencimento e reconhecimento nacional a estes líderes negros e indígenas, através das discussões de temáticas sócios- educacionais,  culturais e religiosas, com a participação de toda comunidade, em especial os mestres e mestras da cultura tradicional e popular, pesquisadores (da academia ou não) e interessados, materializando em matas fechadas do antigo quilombo de Malunguinho uma possibilidade de imersão na experiência do corpo e espírito, através de debate, ritual (liturgia da Jurema) e o grande coco sagrado da mata, com mestres de renome como Mestre Galo Preto, Mestra Eliza do Coco, Mestre Ze de Teté, entre outros que tem na tradição cotidiana o contato com nossas matrizes fundadoras da identidade nacional.

Todo o evento é para homenagear e reconhecer Malunguinho, líder negro que elevou-se à divindade na Jurema Sagrada.

O Kipupa Malunguinho, Coco na Mata do Catucá é uma festa/evento única no gênero. Nele o participante poderá conhecer parte de nossa história que não está nas escolas nem nos livros. Poderá brincar e vivenciar coletivamente a experiência de adentrar nas tradições menos acessíveis ao público, por serem na maioria religiosas/culturais.

Todo roteiro da festa é feito para poder-se experienciar a vida daqueles negros e negras que ali (matas do engenho Pitanga II- Abreu e lima - Catucá) lutaram, viveram e morreram.


Hoje, após seis anos de realização da Festa, o Kipupa virou o encontro nacional dos juremeiros e juremeiras, trazendo gente de diversas partes do país para entrar nas matas sagradas. 

Entrada dos Juremeiros e Juremeiras na mata sagrada. V Kipupa Malunguinho, 2010. Foto de Laila Santana.

Quem quiser ver fotos e muito mais sobre o Kipupa Malunguinho e, saber informações sobre nossa entidade, entre em: 



Alexandre L'Omi L'Odò.
Quilombo Cultural Malunguinho
Coordenação
alexandrelomilodo@gmail.com

______________________________
Fontes:

Cultural Atlas of Africa. Andromeda Oxford Limited. 2004 The Brown Reference Group plc. (incorporating Andromeda Oxford Limited). 2007, Ediciones Folio, S. A. Rambla de Catalunya, 135, 08008 Barcelona.

Quintão, José Luiz. Gramática de Kimbundo. 1° Edição: 1934. Edições "Descobrimento".

Carvalho, Marcus J. M. de. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife. Ed. Universitária da UFPE, 1998.

Salles, Sandro Guimarães de. À sombra da Jurema encantada: mestres juremeiros na umbanda de Alhandra. Recife. Ed. Universitária da UFPE, 2010.

6 comentários:

carlos tomaz disse...

Meu Deus! Que riqueza de informação histórica, etimológica, cultural, etnológica e religiosa. Meu Deus! onde está o Estado que não reconhece tamanha grandeza de um grupo capaz em todos os sentidos da palavra e mais ainda capaz não só teologicamente como cientificamente. Parabéns QCM, parabéns L'Omi, Parabéns João Monteiro pela luta, força, capacidade, responsabilidade e compromisso sério com as questões afroindígenas. Isso sim é ação afirmativa que diz respeito às Leis 10.639/03 e 11.645/08.
Saravá Malunguinho e muita fumaça em vossas cabeças para que dia a dia possam enfrentar as adversidades. Axé irmãos.

Carlos Tomaz
Prof. da rede estadual de ensino de PE
coordenador nacional de formação da REDE AFRO LGBT
membro do Fórum Est. de Educação Étnicorracial de PE.
membro do MNU-PE

Alexandre L'Omi L'Odò disse...

Obrigado professor Carlos Tomaz, pelo comentário. Na verdade não esperamos muita coisa de um Estado visto ainda com os olhos azuis, que promove e apoia atividades e "órgãos" que são claramente concessões limitadas por uma possível amizade.

As políticas de implementação das leis citadas polo senhor, não são interese do Estado, portnato, estamos fora dos interesses dele.

Nem a perspectiva da criação de uma secretaria de equidade étnica cultural há. Muito menos com ética. Daí ficamos nós no nosso lugar que temos, o de moviemnto social, livre e autônomo.

Axé e vamos em frente, pois querer contribuir, queremos, só não podemos nos submeter a um sistema racista retroalimentado por nós!

Axé e vamos em frente. Pois estamos ai pra ajudar e sermos ajudaos. Ir nas escolas e fazer o possível para extinguir o racismo e a intolerância, causadas pela ignorância e a maldade de muitos.

L'Omi.

Lúcia Salgueiro disse...

Excelente fonte de conhecimento. Fico feliz, gratificada e enriquecida ao ler o seu blog.
Parabéns pelo seu trabalho.
É essencial o acesso à educação para a derrubada do preconceito, da discriminação, do racismo.
É necessário investir na divulgação desse conhecimento nas escolas, que perpassa pela capacitação e aceitação dos educadores. A riqueza e o poder da cultura e da religião herdadas dos negros e dos índios são de uma magnitude tremenda. Necessitamos ter isso divulgado, mostrado, visto. Boa sorte e contem com a PMPE, por meio do GT Racismo, no que estiver ao nosso alcance. Axé!!!

Anônimo disse...

Prezado Alexandre gostaria de parabenizá-lo diante da sua dedicação. Acredito que os mestres JUREMA estão orgulhosos pelo seu trabalho. Estou entrando muito tarde na JUREMA aos 58 anos mas feliz por ter conhecido Mãe Cida e me orientado para chegar aonde eu cheguei. Tenho projetos, idéias, e gostaria de sua orientação para divulgar a JUREMA no Estado da Paraíba. O seu conhecimento é valioso. Axé irmão. Maria de Fátima -Santa Rita - Paraíba

Maria de Fátima Garcia disse...

Estaremos lá, para vivenciar essa experiência que, com certeza muito nos marcará como professores!

Leonardo Chaves disse...

Realmente, muita riqueza cultural, meu amigo. Você coloca as coisas com bastante clareza e tudo muito embasado, realmente, eu admiro muito as suas lutas em defesa de todos esses ideais. Tem mesmo que ser gente forte e determinada pra seguir com essas lutas, afinal de contas, a "história oficial", essa que é contada na maioria dos livros e escolas ainda vem cheia de estereótipos e buracos e é preciso ter gente como vc pra lutar contra isso tudo.
No dia 11/10/2015 estive em São Lourenço e Tejucupapo, na verdade, eu fui atrás da história da famosa batalha, das heroínas, etc... Mas aprendi que lá naquela região, tb tiveram lugar embates dos quilombolas e eu estou pesquisando pra colocar as informações certas no meu artigo do blog. Não vai ser nenhuma dissertação, só um relato mesmo, coisa simples e curta, mas eu não quero fazer feito uns e outros por aí que fazem reportagens na tv dizendo o que a pessoa não fez, afirmando que fulano disse tal coisa que nunca disse.
Parabéns pela sua luta. Estou acompanhando teu trabalho!

Vídeos Negros nossos!!

Loading...

Quilombo Cultural Malunguinho

Quilombo Cultural Malunguinho
Entidade cultural da resistência negra pernambucana, luta e educação através da religião negra e indígena e da cultura afro-brasileira!